Estado do Objeto


Estado de um Objeto. Existem dois tipos. Entenda-os e torne-os invioláveis.

Unsplash image

Introdução

Venho escrevendo sobre Orientação a Objetos e já falei várias vezes sobre o Estado de um Objeto, mas nunca havia explicado o que exatamente isso significa.

Saber esse conceito é primordial para o entendimento da verdadeira Orientação a Objetos.

O que é Estado

Todo Objeto é composto de Estado e Comportamento.

Enquanto o comportamento é o que o Objeto faz, Estado é o que o Objeto sabe sobre a Entidade que ele está representando dentro do software.

Todo Objeto tem um Estado, mesmo que você não saiba sobre ele.

Existem basicamente dois tipos de Estado.

Estado Implícito

Todo Objeto tem ou deveria ter um Estado. No entanto existem casos especiais onde um Estado inicial não faz sentido tecnicamente.

Um exemplo de um Objeto sem Estado inicial é uma Lista. Podemos inicializar a lista com um item, porém nem sempre esse será o caso. Na maioria das vezes queremos uma lista para depois ir adicionando itens. Então iniciamos a lista sem Estado aparente.

Isso é fato se tivermos uma visão estritamente técnica. Mas quando essa lista for instânciada na memória do computador, seu Estado será inicializado. Em outras palavras, a área de memória que o Sistema Operacional concedeu ao Objeto será, também, o seu Estado.

Pensando filosoficamente, no construtor de uma Classe Lista que é inicializada vazia, “sem estado”, seria passado o endereço de memória onde a lista iria residir na memória do computador. Porém construtores já fazem isso por padrão — encontram um endereço de memória disponível — então não há necessidade de sabermos endereços de memória e muito menos passá-los no construtor.

Estados implícitos devem ser utilizados apenas para Objetos primários ou muito genéricos, como uma lista.

Estado Explícito

Argumentos nos construtores de Classes mostram a intenção do desenvolvedor em instanciar um Objeto com um Estado Explícito.

No entanto tais argumentos podem ou não fazer parte do Estado do Objeto que queremos inicializar.

É o Objeto que irá decidir o que utilizar no seu Estado.

Por exemplo. Numa Classe TSalary, que representa um salário de alguém, é esperado um argumento no construtor do tipo IMoney, que é uma Interface.

A Classe TSalary poderia ter um outro construtor secundário com um argumento do tipo string. Porém sabemos que um TSalary não é uma string e seu Estado não pode ser inicializado com um valor que não seja um IMoney. Então porque esse construtor existe?

Um exemplo de implementação desses construtores poderia ser assim:

// primary
construtor TSalary.Create(Value: IMoney);
begin
  FValue := Value;
end;

// secondary
construtor TSalary.Create(const Value: string);
begin
  Create(TStringAsMoney.New(Value));
end;

No exemplo acima o construtor secundário chama o primário com o argumento correto, do tipo IMoney, porém outro Objeto é utilizado. O argumento Value do tipo string não faz parte do estado de TSalary porém faz parte do estado de TStringAsMoney.

Como eu disse antes, o Objeto que decide.

Estados explícitos devem ser utilizados em todos os Objetos de alto nível e de regras de negócio.

Conclusão

De todo esse papo técnico mas também filosófico, o que você nunca deve esquecer quando estiver construindo uma Classe é:

O estado de um Objeto jamais deve ser violado.

Após o Objeto ser criado, seu Estado — implícito ou explícito — nunca poderia ser alterado, permanecendo intacto até o fim da sua vida.

Se esse Estado for violado significa que seu Objeto não possui encapsulamento.

Um Objeto que não encapsula não pode ser considerado um Objeto. Chame-o de estrutura de dados.

Objetos tem Estado, estruturas tem Dados.

Até logo.

Posts Relacionados

  • Injeção de Dependência sem XML, Atributos/Anotações ou Frameworks

  • Nomeando Classes em Libraries

  • Versionando e Organizando seus Pacotes

  • Xavier Package

  • Inter-process Communication

  • Porquê eu escolhi Delphi e então, Object Pascal

  • Redefinindo Classes

  • Git-work Project

  • Imutabilidade do Estado

  • Diretivas de Compilação