Classes de Dados


Objetos são constituídos de Estado e Comportamento, enviam mensagens uns aos outros e devem representar Entidades reais de tudo que existe fora do Contexto do Software.

E os Dados, onde estão os Dados?

Imagem

Introdução

Tenho dito, por várias vezes, que um Objeto não deve ser visto ou utilizado como um balde de dados e funções.

Objetos não são containers de transporte de dados. Eles devem representar uma Entidade fora do Contexto do Software. Não importa se a Entidade é um objeto, pessoa ou Dados.

E o que são Dados?

É difícil definir a diferença entre Dados e o Estado de um Objeto. Ambos, tecnicamente, podem ser considerados Dados. No entanto, eu acredito, há uma diferença teórica entre eles que muda nosso modo de pensar quando estamos construindo um software Orientado a Objetos.

Dados também são representados por Objetos, pois eles também estão fora do Contexto do Software.

Mas como um Objeto não deve ser um “balde de dados” e ao mesmo tempo deve representar Dados?

Dados e Estado

Tudo são Objetos.

Tudo deve ser representado por Objetos.

Não há diferenças, pensando em termos de Objetos, entre um Carro e o número 9, por exemplo. Ambos são Entidades que deveriam ser representados dentro do software por Objetos.

Mas a vida é difícil. Desenvolver software Orientado a Objetos de forma perfeita é quase impossível. Precisamos pensar na performance, na alocação de memória, uso de recursos, etc. E aí começa a confusão entre Dados e Estado.

Vejamos. Se tenho uma Classe TUrl com uma propriedade privada FValue: string, a propriedade é um Dado ou o Estado do Objeto?

Eu diria que representa o Estado do Objeto. A propriedade FValue é a URL em forma de string.

Mas como string é um tipo primitivo (no Pascal), pensamos em termos de Dados e não de Estado do Objeto.

Vejamos outro exemplo:

type
  TFile = class(TInterfacedObject, IFile)
  private
    FPath: string;
    FName: string;
    FStream: IDataStream;
  public
    constructor Create(const Path, Name: string; 
      Stream: IDataStream);
    function Path: string;
    function Name: string;
    function Stream: IDataStream; 
  end;

No exemplo acima, tem diferença entre Dados e Estado?

Sim.

Todas as 3 propriedades fazem parte do Estado do Objeto, no entanto a propriedade FStream representa os Dados do arquivo que estão no HD do computador.

A Classe TFile faz uso da Composição de Objetos. Não olhamos para TFile como um container de bytes, mas como um Objeto que representa um Arquivo no computador.

Mas, se olharmos apenas para o Objeto FStream dentro de TFile, ele poderia ser implementado assim:

type
  TDataStream = class sealed(TInterfacedObject, IDataStream)
  private
    FStream: TMemoryStream;
  public
    constructor Create(Stream: TStream);
    destructor Destroy; override;
    procedure Save(Stream: TStream); overload;
    procedure Save(const FileName: string); overload;
    function Size: Int64;
  end;

Agora o Contexto mudou.

A propriedade FStream na Classe TDataStream representa o Estado do Objeto e não Dados do Objeto. Essa Classe representa um stream mas ela não sabe se o stream é proveniente de um Arquivo ou de registros em uma Tabela.

Estamos olhando para um novo Contexto e isso muda nossa percepção sobre o que é ou não Dados.

Veja que internamente TDataStream foi implementado utilizando um TMemoryStream para “guardar” o stream — mais uma vez utilizando Composição de Objetos — mas eu poderia optar por utilizar apenas bytes e um ponteiro para a memória. Não importa. Isso tudo é privado e ninguém sabe o que acontece dentro de um Objeto. O importante é saber distinguir a diferença entre Dados e Estado do Objeto.

Dados na forma de Objetos

Classes de Dados são aquelas que geram Objetos que representam Dados.

Nós utilizamos Dados na forma de Objetos a muito tempo.

Uma Classe TJsonObject representa um stream de JSON, assim como uma Classe TXmlDocument representa um stream de XML.

Se não tivéssemos essas Classes, teríamos que trabalhar os Dados no nível de bytes e ponteiros na memória. Programação Procedural.

Queremos utilizar Objetos, pois eles facilitam nossas vidas. Então encapsulamos arquivos, streams, registros de Tabelas, etc em Classes que geram Objetos para manipular os Dados.

Conclusão

Não há problema se seu Objeto encapsula apenas Dados, contanto que esses Dados façam parte da Entidade real que seu Objeto está representando.

Entender a sutil diferença entre Dados e Estado do Objeto irá fazer você codificar Classes melhores.

Você não irá mais pensar em definir uma única Classe que encapsula todos os Dados, mas sim Classes que representam Entidades, que utilizam a Composição de Objetos para Encapsular outros Objetos que, por fim, irão representar os Dados.

Até logo.

Posts Relacionados

  • Mais Performance usando Argumentos "const" para Interfaces

  • Herança de Formulário é para Iniciantes

  • Eliminando Métodos Privados

  • Classes Aninhadas

  • API Unit: Tudo num só lugar

  • Injeção de Dependência sem XML, Atributos/Anotações ou Frameworks

  • Nomeando Classes em Libraries

  • Versionando e Organizando seus Pacotes

  • Xavier Package

  • Inter-process Communication