Herança pode ser o Mal da Orientação a Objetos — Parte 1


Se você utiliza Herança em seu código, especificamente Herança de Classe, pode estar cometendo um erro terrível.

Com o uso da Herança você viola o encapsulamento de suas Classes, deixa seu código menos flexível e mais complexo.

Herança de Classe deve ser evitada a todo custo.

Imagem

Introdução

Se você já programa utilizando Orientação a Objetos há muito tempo, utilizando Classes e Subclasses em seu código para “reutilizar” funcionalidades, eu realmente não espero que você entenda e concorde comigo tão rapidamente.

Será necessário tempo.

Tempo para digerir as informações. Tempo para uma releitura. Tempo para pesquisas feitas por você mesmo. Tempo para ler sobre outras linguagens. Tempo para ler outros artigos e livros.

Depois você poderá formar sua opinião própria. Mas faça isso baseado em fatos e não baseado em preconceitos ou ignorância de informações.

No fim eu espero veementemente que você junte tudo isso e chegue a mesma conclusão que eu cheguei: Herança é o Mal.

E, claro, é importante saber que grandes empresas e desenvolvedores ao redor do mundo já chegaram a mesma conclusão faz muito tempo.

Mas porfavor, não pense que estou abolindo completamente a Herança. Estou lhe dizendo que ela é má, mas mesmo assim haverá momentos em que poderá ser mais simples ou eficiente utitilizá-la do que outra abordagem. Por exemplo, um médico pode tomar a decisão de amputar a perna de um paciente para mantê-lo vivo. Não é algo “bom” para se fazer se pensarmos somente na amputação, no entanto pode ser a melhor decisão se você pensar no todo — a sobrevivência do paciente.

É o mesmo com a Herança. Você tem essa possibilidade, mas só deverá utilizar em último recurso.

Herança

A Herança é um dos pilares da Orientação a Objetos, assim como Encapsulamento e Polimorfismo.

Se uma Classe B herda de A, então B é-um A. Herança é isso. As Subclasses serão substitutas mais especializadas de suas Super Classes.

Quando comecei a estudar Orientação a Objetos — 20 anos atrás — foi a primeira coisa que li. Esse era o mantra na época: Herança, Encapsulamento e Polimorfismo.

Para alguém como eu que só tinha visto código procedural em C ou Pascal, declarar uma Classe e Subclasses para herdar o comportamento reutilizando o código era… mágico.

Acho que Herança é o que mais impressiona quem está aprendendo — ou mesmo quem já é veterano — a programar Orientado a Objetos.

Com Herança o programador consegue extender uma Classe com novos métodos ou mesmo alterar o comportamento da Hierarquia com pouco código. Mágica.

E isso não é bom?!

Quase nunca.

Eu não entendi logo na primeira vez que li sobre “Herança ser ruim”. Eu já me considerava um desenvolvedor experiente em Orientação a Objetos, no entanto eu tive que mudar meus conceitos. Na verdade eu tive que reaprender o que era Orientação a Objetos. Não só por causa do uso da Herança, mas por causa de uma série de “novas” ideias que venho coletando, estududando e divulgando aqui mesmo, nesse blog.

E é por isso que eu acho que o mesmo deve acontecer à você, ou seja, mais cedo ou mais tarde você terá que mudar/atualizar seus conceitos sobre Orientação a Objetos. É inevitável.

Mas se você for uma pessoa mais sábia do que eu fui na época quando li sobre Herança ser ruim e que deve ser evitada, você poderá obter o benefício de ler sobre isso agora e não ter que perder tempo em busca de uma resposta para a dor que eu sei que você tem hoje, quando seu código começa a não fazer mais sentido; quando sua Hierarquia de Classes se torna um peso e atrapalha mais do que ajuda; quando você tem que sobrescrever métodos para não “fazer nada”, desabilitando funcionalidades; ou quando você tem que duplicar código porque sua Classe foi codificada numa “Hierarquia errada”.

Os Males

Se você nunca ouviu dizer que Herança é ruim, deve estar pensando que eu sou louco. Bem, saiba que eu não inventei tal afirmação. Gostaria de citar um artigo que encontrei na Internet há bastante tempo e que serviu de inspiração para o título desse artigo que você está lendo agora.

O artigo foi publicado na JavaWorld em 1 de Agosto de 2003, intitulado: “Why extends is evil”.

Abaixo um pequeno trecho desse artigo. (Tradução Livre)

Uma vez fui a uma reunião do grupo de usuários Java, onde James Gosling (inventor do Java) foi o orador de destaque. Durante o memorável Q&A sessão, alguém lhe perguntou: "Se você pudesse fazer Java novamente, o que você mudaria?" "Eu deixaria de fora as Classes", ele respondeu. Após sessarem os risos, ele explicou que o verdadeiro problema não era as Classes em si, mas sim a Herança de Implementação (extends). Herança de Interface (implements) é preferível. Você deve evitar a Herança de Implementação, sempre que possível.
Why extends is evil — JavaWorld

Nessa série de artigos vou tentar explicar os motivos porque eu — e milhares de desenvolvedores ao redor do mundo — considero Herança algo ruim e que deve ser evitada a todo custo.

Os principais motivos são:

  1. Viola o Encapsulamento
  2. Duplicação de Código
  3. Forte Acoplamento
  4. Hierarquias Complexas

No próximo artigo…

No próximo artigo irei explicar em detalhes porque a Herança Viola o Encapsulamento, com exemplos de código.

Clique aqui para ler a Parte #2 dessa série.

Caso você tenha alguma dúvida ou quiser compartilhar seus pensamentos sobre essa série, utilize a área abaixo para comentários.

Até logo.

Posts Relacionados

  • Injeção de Dependência sem XML, Atributos/Anotações ou Frameworks

  • Nomeando Classes em Libraries

  • Versionando e Organizando seus Pacotes

  • Xavier Package

  • Inter-process Communication

  • Porquê eu escolhi Delphi e então, Object Pascal

  • Redefinindo Classes

  • Git-work Project

  • Imutabilidade do Estado

  • Diretivas de Compilação