Não Utilize Casting


Sua equipe precisa de um programador Object Pascal para trabalhar num projeto que está sendo codificado em FreePascal. Este projeto terá integração com um ERP codificado em Java e um website codificado em PHP. Tudo utilizando MS SQLServer como SGBD.

Como você iria descrever o anúncio dessa vaga?

Casting

Uma tradução para Casting, em Português, seria moldagem. Você recebe algo e o “molda” em outra coisa.

Fazemos isso muitas vezes. Temos um Integer e o moldamos em uma String e vice-versa.

Mas será que o uso de Casting é necessário para codificarmos nossas Regras de Negócio utilizando Objetos?

. . .

O arquiteto da equipe — sr. Anderson — já definiu o projeto.

Anderson definiu a API de integração, diagramas de classes, componentes, módulos, etc. Mas o projeto ficou maior que o esperado e agora precisam de um programador experiente para compor a equipe.

O arquiteto solicita ao seu gerente o novo programador, mas sem lhe dar instruções específicas.

O gerente repassa o pedido ao pessoal do RH e então eles anunciam a vaga em sites:

“Empresa ACME Inc. precisa de programador experiente.”

A empresa recebe currículos com especialidade em COBOL, Delphi, C/C++, Java… PHP foi a maioria. :)

Todos perdem tempo, pois terão muito mais currículos para analisar e verificar se o canditato se encaixa nos critérios, pois não definiram as habilidades necessárias que o programador deve ter quando fizeram o anúncio.

O mesmo acontece quando utilizamos Casting. É necessário ter código de verificação para o Objeto afim de determinar sua Classe.

Seus Objetos devem trabalhar sob contratos, ou seja, interfaces. Somente Objetos qualificados — que implementam a Interface — poderão ser utilizados para fazer o serviço.

Se você tem um trabalho a fazer, chame um especialista apto para fazer o trabalho — ou faça você mesmo.

O trabalho é determinado por um contrato que especifica as habilidades necessárias que o especialista precisa ter.

Na Orientação a Objetos os contratos são representados por Interfaces.

Interfaces, não Classes.

. . .

Anderson precisa de um programador.

O RH altera os requisitos da vaga.

O programador deve saber:

  • Object Pascal
  • MS SQLServer
  • Desejável PHP, Java

Agora ficou mais fácil de encontrar o programador específico para o trabalho.

É isso que você deve fazer no seu código. Especifique Interfaces que definam o contrato necessário para fazer o trabalho.

Não defina argumentos do tipo de Classes genéricas — TObject, etc — sendo necessário utilizar Casting para verificar qual o tipo de Classe do Objeto para fazer algum processamento específico dependendo da Classe. Não faça isso!

Interfaces são contratos de trabalho.

Defina bem seus contratos e você não precisará fazer Casting pois saberá que somente Objetos especialistas irão se “candidatar” ao trabalho. Do contrário não fique surpreso de receber um tomate quando você esperava uma maçã! :)

Até logo.

Posts Relacionados

  • Mutabilidade Encapsulada

  • Atributos Primários e Secundários

  • Estado do Objeto

  • Herdar para Rotular

  • Observando Objetos

  • Eventos e Objetos

  • Organização de Projetos

  • James e Testes de Unidade

  • James Package

  • Objetos Puros