Objetos pensam e tomam decisões


Se você Pensar em Objetos ou invés de pensar em procedimentos e funções conseguirá implementar um código onde os Objetos conversam entre si ao invés de utilizar Programação Procedural que instrui o compilador sobre o que fazer linha-a-linha.

Não fazemos isso na Orientação a Objetos. Seu Objeto sabe o que fazer. Ele não precisa de um “controlador” (você) para lhe dizer o que fazer. Ele sabe. Ele foi contratado pra isso. Deixe-o trabalhar.

Pense

Pense em Objetos, não em procedimentos

Um Objeto deve ter uma identidade bem definida. Sua Classe deve implementar apenas uma responsabilidade. Essa responsabilidade é determinada por um contrato que representa uma possível abstração de alguma Entidade.

Mas como saber se seu Objeto representa uma Entidade ou se ele é apenas um balde de funções e dados?

Algumas classes são mais difíceis de perceber enquanto outras são tão claras como a água. Veja:

type
  TDataModule1 = class(TDataModule)
    { fields, components...}
  public
    function AddNewCustomer(Customer: TCustomer): Integer;
    function AddNewUser(User: TUser): Integer;
    function GetCustomer(Id: Integer): TCustomer;
    function GetEmployeeSalary(EmployeeId: Integer): Currency;
    { more...}
  end;

O exemplo acima, apesar de ser codificado como uma Classe, ter a sintaxe de uma Classe, se comportar como uma Classe etc, na verdade, não representa nenhuma abstração de uma Entidade sendo, portanto, um código procedural, ou seja, um balde de funções e dados.

Quando postei sobre DataModules imaginei que muitos programadores poderiam não entender — num primeiro momento — meu motivo em dizer que DataModules são apenas recipientes e que não devem conter regras de negócio e muito menos serem utilizados como instâncias de Classes de Negócio. Para minha surpresa o post foi muito bem recebido pela maioria dos leitores.

Acho que o exemplo de código acima deixa bem claro o que eu quis dizer.

Ora, um DataModule, na grande maioria das vezes, não representa uma Entidade por não ter uma identidade bem definida. Após 10 minutos e 5 componentes adicionados, ele vira um balde de funções e dados, ou seja, uma Classe utilitária.

Objetos pensam… como?

Você deve fazer com que as decisões de negócio ou sistema devam ser tomadas pelos próprios objetos e não por um “controlador”.

Vamos inventar um exemplo.

Imagine um Form onde temos um TButton para mostrar ao usuário qual o valor da comissão, neste mês, de um determinado empregado selecionado. Cada funcionário tem um salário fixo e, talvez, uma comissão que é determinada pelo tipo de registro em seu cadastro. Os tipos 1 e 2 tem um cálculo completamente diferente e para todos os outros a comissão será de 2%.

A Versão Procedural:

Nessa versão do código tudo é feito num único lugar, no evento do botão.

É claro que você poderá me dizer como reescrever o código. Dividir em partes. Criar outros “métodos”, etc. Mas o ponto aqui é comparar um Código Procedural com um Orientado a Objetos de verdade.

procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject);
var
  Id: Integer;
  EmployeeType: Integer;
  Salary: Currency;
begin
  Id := SelectedEmployeeId;
  Query.Close;
  Query.Params.ParamByName('id').Value := Id;
  Query.Open;
  
  Salary := Query.FieldByName('salary').AsCurrency;  
  
  EmployeeType := Query.FieldByName('etype').AsInteger;
  case EmployeeType of
    1: Salary := Salary + CalcCommission1(Id, {parameters});
    2: Salary := Salary + CalcCommission2(Id, {parameters});
  else
    Salary := Salary + (Salary * 0.02);
  end;

  ShowMessage('Total Salary = ' + CurrToStr(Salary));
end;

Quem nunca fez um código parecido com esse em todos esses anos de Object Pascal? Eu já. Muito mais do que eu gostaria.

No clique de um único botão:

  1. Utilizei uma query global;
  2. Utilizei 3 variáveis locais;
  3. Utilizei 2 funções para cálculo de comissão;
  4. Fiz um cálculo de comissão diretamente no código do evento(!)
  5. Apresentei o valor calculado ao usuário.

Esse código é Procedural, muito acoplado e impossível de ser utilizado em UnitTests.

Melhor vermos uma outra opção.

A Versão Orientada a Objetos:

Para essa versão, é claro, temos que ter as Interfaces que representam cada Entidade do nosso domínio. Mesmo um Valor ou Salário também são Entidades!

type
  ICurrencyValue = interface
    function Value: Currency;
    function AsString: string;
  end;

  ISalary = interface
    function Value: ICurencyValue;
  end;
  
  IEmployee = interface
    { ... }
  end;

Com as Interfaces definidas, não fica difícil implementar as Classes utilizando o Decorator Design Pattern, o mesmo utilizado aqui. Mas o código das Classes são irrelevantes para o entendimento do problema. E é assim mesmo que deve ser! Não precisamos saber o código interno de uma Classe para podermos utilizá-la. Apenas a sua Interface é suficiente.

Então o código do evento no botão fica assim:

procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject);
begin
  ShowMessage(
    'Total Salary = ' + 
      TEmployeeSalaryWithCommission.New(
        TEmployeeSalary.New(
          TEmployee.New(SelectedEmployeeId)
        )
      )
      .Value.AsString
  );
end;

Mesmo sem o código das Classes — apenas para não “poluir” demais o post — acredito que dá pra entender perfeitamente o que seria implementado:

  1. A classe TEmployee implementa IEmployee;
  2. A classe TEmployeeSalary e TEmployeeSalaryWithCommission implementam ISalary;
  3. A classe TEmployeeSalaryWithCommission é um decorator para TEmployeeSalary;

Diferentemente do primeiro exemplo, no clique de um único botão:

  1. Instanciei TEmployee;
  2. Instanciei TEmployeeSalary;
  3. Decorei a instancia de TEmployeeSalary com TEmployeeSalaryWithCommission;
  4. Chamada para Value — uma instancia de ISalary — e depois para o método AsString;

Não há condicionais, cálculos ou Regras de Negócio “espalhadas” no código. Apenas objetos “conversando”.

Claro que uma query será executada em algum lugar — talvez encapsulado dentro de TEmployee — assim como os cálculos de comissões terão que ser implementados em TEmployeeSalary ou em algum outro objeto. Mas isso não é mover o problema para outro lugar… não! Isso é encapsular o problema em objetos e deixá-los trabalhar livremente.

Nessa versão você não vê as regras, os cálculos. Você, como utilizador dessas Classes, não precisa pensar em procedimentos e na ordem de chamada entre eles. Deixe que os Objetos pensem por você.

Até logo.

Posts Relacionados

  • Mutabilidade Encapsulada

  • Atributos Primários e Secundários

  • Estado do Objeto

  • Herdar para Rotular

  • Observando Objetos

  • Eventos e Objetos

  • Organização de Projetos

  • James e Testes de Unidade

  • James Package

  • Objetos Puros