Versões Antigas dos Compiladores


A primeira versão do Delphi data de 1995, após o Turbo Pascal,enquanto o compilador Free Pascal é de 1993.

Estamos em 2018 agora. Será que vale a pena manter seu código executando nas versões antigas do compilador?

Unsplash image Photo by Danielle MacInnes on Unsplash

Talvez não valha a pena manter o código dos seus projetos funcionando nas versões antigas, uma vez que você tenha conseguido migrar todo o código-fonte para uma versão mais nova. No entanto, suas bibliotecas — especialmente as públicas, Open Source — poderiam (ou deveriam?) continuar compilando nas versões mais antigas dos compiladores.

O primeiro motivo é bem simples. Compatibilidade.

Mas por quê isso é importante?

Trabalho profissionalmente com o Delphi desde sua versão 4 e um dos critérios que me fizeram continuar na ferramenta foi a retrocompatibilidade. Um código que executava na versão anterior, continuava executando na versão mais nova.

Lembro das palestras e encontros proporcionados pela antiga Borland, onde o palestrante abria aquele “Projeto dos Peixinhos” feito no Delphi 1~2 e ele continuava compilando normalmente, sem alterações, na versão mais nova.

É difícil ver esse nível de comprometimento com o usuário/desenvolvedor hoje em dia. Quantos frameworks a Microsoft já criou e matou na plataforma .NET? Temos que ficar correndo como “ratos” atrás do próximo “queijo sofisticado” para fazer o mesmo tipo de projeto que já estávamos fazendo a 20 anos atrás? Tenho certeza que não.

O segundo motivo é proporcionar mais opções de bibliotecas à comunidade Object Pascal.

Hoje em dia a linguagem se tornou um (pequeno) nicho. Enquanto nascem “centenas” de frameworks JavaScript todos os dias, não vemos o mesmo empenho na comunidade Pascal. Então, é importante manter o código legado funcionando para manter os desenvolvedores fieis a linguagem. Senão eles irão procurar alternativas lá fora. Melhor ainda, seria se tivéssemos mais opções a escolher, no entanto.

Eu já publiquei algumas bibliotecas Open Source a alguns anos, mas agora elas não existem mais. Não valiam a pena. Eram só “brinquedos”. Elas deveriam mesmo desaparecer. No entanto existem bibliotecas que fizeram e ainda fazem muita diferença no desenvolvimento hoje como a RX e JEDI. Acredito que essas bibliotecas não compilem utilizando versões antigas, no entanto elas foram atualizadas, o que já é um grande mérito para seus mantenedores.

Existem ainda alguns ninjas do Object Pascal que mantém uma única base de código desde o Delphi 6 até o Delphi 10.2 Tokyo, compilando também no FPC 2.7.1/3.1.1 em diante. Me refiro ao framework mORMot.

mORMot é o estado-da-arte dentre todos os projetos Object Pascal que conheço. Com uma única base de código e sintaxe “old-school”, sem generics, sem classes anônimas, sem métodos anônimos, sem n.a.m.e.s.p.a.c.e.s, ou seja, “apenas” com Classes, Interfaces e funções, o autor Arnaud Bouchez e colaboradores foram capazes de criar e manter ao longo dos anos, um framework Client-Server ORM/ODM SOA MVC completo, quase sem dependências externas, com performance superior as soluções modernas como Node.js.

Isso prova que simplicidade e arquitetura bem feita são muito mais importantes que novas features na linguagem, novos componentes, nova IDE…

A alguns anos eu voltei a publicar projetos Open Source, com uma nova abordagem e profissionalismo. Mas quando vejo projetos como o mORMot, tenho a plena convicção do quanto eu ainda tenho que aprender.

Hoje utilizo FPC/Lazarus mais do que Delphi. Comecei a migrar meus sistemas e bibliotecas privadas para a “plataforma concorrente” a alguns anos. Nessa época o Lazarus era um “brinquedo” mas, felizmente, continuei a utilizá-lo e hoje o Lazarus é tão bom quanto o Delphi — talvez melhor. No entanto, o Delphi 7 ainda faz parte do meu dia-a-dia. Então, vale a pena fazer bibliotecas para essa versão? Talvez.

Saber que as mesmas bibliotecas que eu sempre utilizei foram sendo atualizadas ao londo de todos esses anos, é um conforto. Não precisarei reescrever meus sistemas… pelo menos enquanto mantermos a linguagem viva.

Até logo.

Posts Relacionados

  • fpWeb: Verificando Vazamentos de Memória

  • Construindo uma Aplicação Básica com fpWeb

  • Desenvolvimento Web com fpWeb Framework

  • Encapsulamento

  • Classes Amigas

  • A Declaração WITH-DO Perfeita

  • A função Supports pode ser traiçoeira

  • Assertions é uma boa prática

  • Construtores Virtuais

  • Listas Genéricas, sem Generics