Herança de Formulário é para Iniciantes


Depois que você aprendeu como funciona a Herança de Formulários, pode esquecê-la.

Unsplash image

Photo by Ken Treloar on Unsplash

Introdução

No início da minha carreira, a muitos anos atrás, alguém me mostrou a Herança de Formulário no Delphi.

Mesmo em design time, dois Formulários herdados estavam “sincronizados”.

Ao alterar um componente de lugar (Top / Left) no Formulário 1, automaticamente também era alterado no outro Formulário 2 devido a Herança entre eles.

E na época eu pensei: UAU!

Como era rápido fazer um Formulário (simplório) de CRUD. Basta herdar e setar algumas propriedades e sobrescrever alguns Métodos.

Acredito que essa é uma das features mais utilizadas hoje em dia.

Mas, o que tem de errado com isso?

Problemas

Utilizar Herança de Formulário é bom apenas para os iniciantes na programação Orientada a Objetos e para o uso superficial do Delphi ou Lazarus.

Pode ser considerado “Ok” para criar aplicações de exemplo, ensinar sobre como não utilizar a Herança simplificada e… talvez, apenas isso.

Para aplicações realmente importantes, sugiro esquecer a Herança de Formulário por completo.

Enquanto a Herança de Classes é um mal que pode ser gerenciado ou mesmo utilizado de forma mais apropriada, a Herança de Formulário acaba com todos os conceitos da verdadeira Orientação a Objetos.

O encapsulamento é perdido quando utilizamos Herança de Formulários, pois o desenvolvedor precisa ter conhecimento do comportamento interno do formulário-pai afim de conseguir fazer algo de útil no formulário-filho.

Muitas vezes encontramos formulários contendo apenas Métodos protegidos ou privados sem nenhum comportamento público; eles vem do formulário-pai. E isso é muito estranho. Por quê teríamos uma Classe (Form) que, a primeira vista, não tem nenhum comportamento para o mundo externo?

A ordem de execução dos Métodos protegidos que devem ser sobrescritos, devem ser de conhecimento do desenvolvedor, mais uma vez quebrando o encapsulamento.

É necessário visualizar o código do formulário-pai afim de saber onde e em que momento tais métodos abstratos e protegidos são utilizados.

É comum ver métodos sobrescritos que não chamam o Método herdado, “matando” o comportamento padrão da Classe ancestral quando o Método não é abstrato.

Pedaços de código serão duplicados pois estão em métodos não acessíveis nos formulários-filhos.

Uma bagunça.

Componentes herdados não podem ser excluídos, o que resulta em mais bagunça e “código espaguete”.

Como não é possível excluir componentes em formulários-filho, o desenvolvedor tem que habilitar/desabilitar ou torná-los visível/não-visível. No entanto tais componentes continuarão a serem criados no formulário…

Criar formulários com componentes que não serão utilizados é realmente um desperdício de memória RAM.

Qualquer alteração no formulário-pai irá refletir nos formulários-filhos, e isso quer dizer que você pode quebrar o sistema inteiro com pequenas modificações.

Você poderia argumentar que mesmo se não utilizasse Herança, mas sim Composição de Objetos, um Objeto que fosse reaproveitado por todo o sistema também poderia quebrá-lo caso algo fosse indevidamente alterado no seu código.

Correto. Mas a grande diferença é que é muito mais fácil alterar um código de apenas uma Classe pequena e sem dependências externas ou heranças de Classes-filhas, do que um código de Formulário onde toda lógica está contido nele além de ter a preocupação se alguma alteração irá impactar negativamente nos nos formulários-filhos.

Soluções

Vejamos então algumas opções para a completa substituição da Herança de Formulário, utilizando outras técnicas mais Orientadas a Objetos, simples e limpas.

A Composição e Decoração de Objetos são as opções mais simples e corretas para substituir praticamente qualquer tipo de Herança.

Você pode criar Classes intermediárias ou adaptadoras que se comunicam entre si para instanciar Formulários complexos.

Com o uso de pequenas Classes utilizadas como “interface de acesso” aos Formulários, você consegue instanciá-los, desacoplá-los entre si, instanciar Frames, ler e escrever dados em componentes. Tudo em runtime.

O uso de Frames é uma ótima opção para o uso de composição visual, visto que são mini-formulários embutidos em outros Formulários.

Pense em como são construídas as páginas de um website. Não há herança, apenas includes de “pedaços de código”: Header, Footer, JavaScript, etc.

Você pode utilizar o mesmo pensamento para o uso de Frames. Pode criar um Frame apenas com os botões de CRUD; outro com Grids; outro para o footer de todo formulário.

Eu utilizo Frames até mesmo sem pensar na reutilização…

Explico. Imagine um Formulário com algumas abas utilizando um TPageControl.

Bem, não podemos ter nomes de componentes iguais num único Formulário, ou seja, se você definiu que um TEdit se chama NameEdit na aba 1, você não pode nomear outro TEdit com o mesmo nome na aba 2, pois ambos pertencem ao mesmo Formulário.

Você precisa acrescentar mais prefixos/sufixos na nomenclatura e isso torna o código mais verboso e confuso, além do fato de que seu Formulário terá que lidar com todos os componentes de uma só vez.

Em meus projetos, uma aba pode conter a instância de um Frame, caso haja ações diferentes em cada aba.

Por exemplo, se eu precisar adicionar uma barra de botões (ações) na aba 2, então essa aba será um Frame com sua própria implementação, componentes de nomenclatura simples e ações específicas.

Dentro de um Frame eu não preciso me preocupar em lidar com um único código inchado que lida com todos os widgets dentro de um Formulário.

E se um Frame precisar notificar o Formulário principal, isso pode ser feito através de Eventos.

Criar Componentes no Delphi/Lazarus é tão fácil que se você precisar utilizar muito um comportamento, pode ser uma boa ideia criar um novo componente e disponibilizá-lo na IDE.

Já vi muito isso em empresas, onde existem componentes genéricos que podem ser utilizados por qualquer sistema, mas também componentes específicos por projeto.

Entretanto, apesar de manter um padrão de uso de componentes por toda a equipe, pode ser difícil manter todas as IDE’s do Delphi atualizadas após um novo release desses componentes — no Lazarus essa tarefa seria mais fácil devido sua “não-instalação” e componentes “registrados” em apenas 1 arquivo XML, no entanto.

Conclusão

O objetivo do artigo não é depreciar desenvolvedores que ainda utilizam Herança de Formulários, mas sim apresentar técnicas muito mais eficazes de construção, visando a manutenibilidade do código no longo prazo.

Eu mesmo ainda trabalho em alguns projetos totalmente baseado em Herança de Formulários. Nesses projetos eu sou obrigado a utilizar herança pois todo o framework funciona a partir de alguns formulários base. No entanto, esses projetos estão longe de ter um código ideal.

Mantenha seus projetos atuais, mas repense o uso de Herança de Formulários em projetos futuros.

Até logo.

Posts Relacionados

  • Mais Performance usando Argumentos "const" para Interfaces

  • Eliminando Métodos Privados

  • Classes Aninhadas

  • API Unit: Tudo num só lugar

  • Injeção de Dependência sem XML, Atributos/Anotações ou Frameworks

  • Nomeando Classes em Libraries

  • Versionando e Organizando seus Pacotes

  • Xavier Package

  • Inter-process Communication

  • Porquê eu escolhi Delphi e então, Object Pascal