FreeAndNil... Esqueça


Se você utiliza o paradigma da Orientação a Objetos corretamente, você não precisa utilizar FreeAndNil… você não precisa nem mesmo utilizar o método Free!

Antigo pensamento

Introdução

Já existe muitas controvérsias e discussões na Internet em torno do uso do FreeAndNil, se é “certo” ou “errado” utilizá-lo.

Dizem que o código fica mais seguro, previne vazamentos de memória… será mesmo?

As coisas mudam. Nem sempre o que aprendemos no passado será verdade no futuro.

Por exemplo. Muitos programadores aprenderam Pascal utilizando variáveis globais — a IDE Delphi/Lazarus adiciona automaticamente uma variável global na unit do Form — e alguns mantém esse aprendizado até hoje como uma verdade, como correto. Outro exemplo do antigo aprendizado é o uso do FreeAndNil. Para muitos programadores seu uso é incontestável.

Então não quero tornar esse post mais um debate sem fim, mas apenas mostrar porque eu não utilizo FreeAndNil em 99.9% dos casos e explicar porque considero errado utilizá-lo — mesmo quando sou obrigado a utilizá-lo — mas deixo à você leitor, o veredicto final.

Programação Imperativa ou Estruturada

A Linguagem Pascal é realmente surpreendente. Até hoje seus desenvolvedores conseguem suportar vários tipos de paradigmas de desenvolvimento dentro da mesma linguagem.

Infelizmente (meu ponto de vista) o paradigma mais utilizado pelas comunidades Pascal — e também Java, C#, PHP… sim, eles também — é o Imperativo ou Estruturado. Para mim ambos são equivalentes e se complementam. O paradigma Estruturado só melhorou o Imperativo, adicionando estruturas de sequência, decisão e iteração.

Eu me refiro a ambos como Imperativo.

Na Ciência da Computação, programação imperativa é um paradigma de programação que descreve a computação como ações, enunciados ou comandos que mudam o estado (variáveis) de um programa. Muito parecido com o comportamento imperativo das linguagens naturais que expressam ordens, programas imperativos são uma sequência de comandos para o computador executar.

— Wikipedia

As diferenças entre o paradigma Imperativo comparado ao paradigma Orientado a Objetos podem ser bem sutis ou muito explícitos, dependendo do caso.

No paradigma Imperativo o programador diz ao computador para seguir uma sequência de ações passo-a-passo, enquanto que no paradigma Orientado a Objetos são os objetos que determinam a sequência de ações.

??!

Pode parecer muito estranho afirmar isso, pois mesmo objetos tem códigos sequênciais em seus métodos, mas essa diferença sutil de mindset pode determinar se uma aplicação é mais ou menos Orientada a Objetos.

O uso de FreeAndNil remete ao código Imperativo. Significa que você tem uma variável global — ou um atributo num objeto — que está sendo recriada várias vezes. Isso é o que eu penso quando encontro um FreeAndNil no código. E isso é péssimo. Primeiro que instâncias deveriam ser imutáveis, pois a mutabilidade é um dos fatores que trazem complexidade para o código e segundo, se você está reutilizando uma variável, o design do seu código está errado, na maioria dos casos.

Sobre o uso do FreeAndNil, Nick Hodges escreveu:

“When should I use FreeAndNil?” is “never”, or at least “Almost never, and if you must use it, make sure that there is a really, really good reason to do so and that you clearly document that reason”.

A opinião dele é nunca, ou quase nunca, utilizar FreeAndNil a não ser que tenha uma ótima razão para fazê-lo. Seu post data de Dezembro de 2011. É um post antigo que fala de um assunto mais antigo ainda… mas que continuamos a falar sobre isso em 2016. Triste.

Para quem não sabe, Nick Hodges é programador Delphi de longa data e autor de Coding in Delphi.

Tentando achar motivos para usar FreeAndNil

Vou tentar dar alguns exemplos do uso de FreeAndNil para depois mostrar o que eu considero ser a forma correta, utilizando o paradigma Orientado a Objetos.

Vamos codificar um acesso hipotético ao serviço da Amazon S3 para obter um arquivo e salvá-lo no HD.

Exemplo 1

procedure TForm1.SaveButtonClick(Sender: TObject);
var
  Credentials: TAWSCredentials;
  Client: TAWSClient;
  Rgn: TS3Region;
  Bucket: TS3Bucket;
  Obj: TS3Object;
begin
  Credentials := TAWSCredentials.Create('access_key', 'secret_key', True);
  Client := TAWSClient.Create(Credentials);
  Rgn := TS3Region.Create(Client);
  Bucket := nil;
  Obj := nil;
  try
    Bucket := Rgn.GetBucket('mybucket');
    Obj := Bucket.GetObject('foo.txt');
    Obj.SaveToFile('./foo.txt');
  finally
    Obj.Free;
    Bucket.Free;
    Rgn.Free;
    Client.Free;
    Credentials.Free;
  end;  
end;

O programador teve que informar a sequência de ações passo-a-passo para o compilador. Mas o código parece bem “simples”, não?

Criamos uma credencial, um client, uma região, inicializamos Bucket e Obj com nil (?!!).

Depois Rgn chama GetBucket para obter uma nova instância de TS3Bucket e este chama GetObject para obtermos uma nova instância de TS3Object.

Por que, neste exemplo, precisamos inicializar Bucket e Obj com nil? O motivo é porque dentro do try-finally, pode ocorrer uma Exception (acesso a Internet, HTTP, login, etc) nestas linhas Bucket := Rgn.GetBucket(‘mybucket’); Obj := Bucket.GetObject(‘foo.txt’); e se ocorrer uma exceção a variável Bucket e/ou Obj nunca serão inicializadas e no fim ocorrerá uma violação de acesso quando o compilador tentar liberar a memória utilizando .Free.

Bem, na minha opinião, esse código é muito errado. Tem mais código de infraestrutura para o computador do que código para resolver meu requisito, que é salvar o arquivo no meu computador.

Mas, talvez, o FreeAndNil possa nos ajudar com esse problema… não é?


Dica: Você não deve criar um objeto em A (Rgn.GetBucket) e destruí-lo B (TForm1.SaveButtonClick). Isso é errado para linguagens com liberação manual de memória. Sempre crie e libere seus objetos dentro de um mesmo contexto. Não siga o design do exemplo acima, é apenas um exemplo.


Continuando…

Escrevemos demais num único método (evento, na verdade). Melhor seria refatorar esse código para a reutilização dos objetos, para podermos chamar os métodos de Bucket ou Obj em outros botões ou formulários.

Refatorando

type
  TForm1 = class(TForm)
  private
    FCredentials: TAWSCredentials;
    FClient: TAWSClient;
    FRgn: TS3Region;
    FBucket: TS3Bucket; 
    FObj: TS3Object;
    // ...
  end;

procedure TForm1.FormCreate(Sender: TObject);
begin
  FCredentials := TAWSCredentials.Create('access_key', 'secret_key', True);
  FClient := TAWSClient.Create(Credentials);
  FRgn := TS3Region.Create(Client);
end;

procedure TForm1.FormDestroy(Sender: TObject);
begin
  FCredentials.Free;
  FClient.Free;
  FRgn.Free;
  FBucket.Free;
  FObj.Free;
end;

procedure TForm1.SaveButtonClick(Sender: TObject);
begin
  try
    FBucket := FRgn.GetBucket('mybucket');
    FObj := FBucket.GetObject('foo.txt');
    FObj.SaveToFile('./foo.txt');
  finally
    FreeAndNil(Obj);
    FreeAndNil(FBucket);
  end;  
end;

Agora o código esta menor e continua “seguro”. Se houver uma exceção, as variáveis FBucket e FObj ainda serão liberadas no fim do programa, no envento FormDestroy, sem violação de acesso porque o FreeAndNil irá garantir isso.

Agora ficou muito melhor? Eu acho que não:

  1. Apenas movemos o problema para outro lugar;
  2. Form1 não deveria saber quem é Bucket, Region, Credentials, etc apenas porque queremos reutilizar suas instâncias;
  3. Se FBucket e FObj são recriados toda hora, qual a vantagem de termos eles como atributos de Form1?
  4. Form1 agora é um objeto inchado porque “sabe demais”;
  5. Você ainda precisa se preocupar com a liberação de memória no FormDestroy e utilizando try-finally.

Exemplo 2

Se o exemplo anterior foi simples demais, veja este outro aqui.

Este código faz parte do Greyhound, um projeto OpenSource codificado em FreePascal por mim.

Isso mesmo, estou lhe dizendo que usei FreeAndNil em um dos meus projetos.

Eu utilizo FreeAndNil 3 vezes em todo o projeto (nesta mesma unit, pode procurar). E sim, continuo achando errado. Mas esse projeto tem uma complexidade muito maior do que o simples exemplo anterior.

Explicando o uso do FreeAndNil no Projeto Greyhound

FData é um atributo do tipo TDataSet. A instância de TghSQLTable, que contem FData, não sabe como o DataSet é criado. Ela depende de outro objeto para criar o DataSet, que depende dos filtros setados e também do tipo de Lib utilizada para conexão ao SGBD. Então, neste caso, foi mais fácil destruir e pedir uma nova instância.

Mas esse design não está correto assim como eu não estou 100% satisfeito com ele. Motivos esses que me farão reescrever toda a Lib — na verdade já estou reescrevendo a algum tempo, porém privadamente.

FreeAndNil na Programação Orientada a Objetos

É claro que FreeAndNil não existe aqui. Nenhuma procedure ou function deveriam existir.

Apenas Objetos com Estado e Comportamento, interagindo entre si e manipulando dados.

No início do post eu falei que não há necessidade de usar FreeAndNil ou mesmo Free. É claro que estou falando do uso de Interfaces em conjunto com a técnica que expliquei aqui sobre o Método New.

Utilizando Interfaces para usufruir do “Garbage Collector” do compilador, não precisaremos utilizar Free e muito menos FreeAndNil.

Então como seria a codificação do exemplo acima utilizando Orientação a Objetos?

procedure TForm1.SaveButtonClick(Sender: TObject);
begin
  TS3Region.New(
    TAWSClient.New(
      TAWSCredentials.New('access_key', 'secret_key')
    )
  )
  .Buckets
  .Get('mybucket')
  .Objects
  .Get('foo.txt', '/')
  .Stream
  .SaveToFile('./foo.txt');
end.

Não é a melhor design, mas melhorou 100% comparado aos exemplos anteriores.

Não tenho variáveis, nem mutabilidade, nem código de infraestrutura como try-finally para desalocação de memória. É menor, mais simples, mais direto.

Mas ainda haverá duplicação de código toda vez que for utilizar os métodos de um S3Bucket ou S3Object em outros lugares. Então como faríamos se quiséssemos reutilizar o código sem ter que especificar a Credentials e Client todas as vezes?

Uma das opções é codificar sua própria implementação de IS3Region, a interface que TS3Region implementa. No construtor da nova implementação (ex: TMyRegion) você poderá inicializar Credentials e Client.

Refatorando

type
  TMyRegion = class(TInterfacedObject, IS3Region)
  private
    FOrigin: IS3Region;
  public
    constructor Create(Origin: IS3Region);
    class function New: IS3Region;    
    // IS3Region methods...
  end;
  
constructor TMyRegion.Create(Origin: IS3Region);
begin
  inherited Create;
  FOrigin := Origin;
end;

class function TMyRegion.New: IS3Region;
begin
  Result := TMyRegion.Create(
    TS3Region.New(
      TAWSClient.New(
        TAWSCredentials.New('access_key', 'secret_key')
      )
    )  
  );
end;    

//....
  
procedure TForm1.SaveButtonClick(Sender: TObject);
begin
  TMyRegion.New
  .Buckets
  .Get('mybucket')
  .Objects
  .Get('foo.txt', '/')
  .Stream
  .SaveToFile('./foo.txt');
end.

A instância FOrigin será utilizada dentro de cada implementação para cada método de IS3Region. A implementação TMyRegion é um Decorator implícito.

O código ficou ainda menor e mais robusto, pois agora qualquer modificação em Credentials e/ou Client serão modificados em apenas um lugar, a classe TMyRegion.

É claro que o código das classes e interfaces somados podem ser maiores que a quantidade de código do modelo Imperativo. Mas isso é irrelevante quando você consegue codificar de forma mais segura e consistente, após implementar as interfaces e classes. Se implementá-los bem, você só precisa fazer isso uma vez, enquanto que no modelo Imperativo a qualquer momento você pode quebrar o código devido a sua mutabilidade e acoplamento temporal — assunto para outro post.

Conclusão

Para dizer se é “certo” ou “errado” utilizar FreeAndNil é necessário saber o contexto e o paradigma utilizado para codificar o sistema.

Sistemas antigos com muito código Imperativo o utilizam. Sem problemas.

Mesmo em sistemas Orientado a Objetos poderemos encontrar FreeAndNil devido a alguns motivos bem particulares como, por exemplo, utilização de código legado, uso de DLL/SO, uso de lib de terceiros ou até mesmo por simplicidade em alguns casos.

O importante, no entanto, é estarmos conscientes do seu uso e do motivo de estarmos utilizando-o. Não tome como uma regra quando dizem que é melhor utilizar FreeAndNil em todos os casos ou que “não faz mal utilizar”… FreeAndNil pode não fazer mal diretamente, mas tem potencial para fazer mal indiretamente quando ajuda a deixar seu código com um péssimo design.

Sempre pesquise sobre o real motivo de utilizar qualquer função, classe, estrutura e todo o resto… e tire suas próprias conclusões.

Até logo.

Posts Relacionados

  • Injeção de Dependência sem XML, Atributos/Anotações ou Frameworks

  • Nomeando Classes em Libraries

  • Versionando e Organizando seus Pacotes

  • Xavier Package

  • Inter-process Communication

  • Porquê eu escolhi Delphi e então, Object Pascal

  • Redefinindo Classes

  • Git-work Project

  • Imutabilidade do Estado

  • Diretivas de Compilação